Deputado denuncia manobra na Secretaria de Estado da Saúde para dar bônus de R$ 4 mil à servidores do gabinete do secretário

Foto: Divulgação/Agência AL

O deputado estadual Milton Hobus, do PSD, criticou a atitude da Secretaria de Estado da Saúde de incluir funcionários do gabinete do secretário para receber gratificação por atuação no Centro de Operações de Emergência em Saúde. Segundo o deputado, uma portaria publicada no Diário Oficial do Estado indicou 28 servidores no grupo “destinado a integrar as ações e serviços de saúde”. Os integrantes do COES vão ganhar valor fixo de R$ 3.944.

Para Hobus, dar uma gratificação para enfermeiros, médicos e profissionais que estão trabalhando em hospitais e unidades de COVID-19 é fundamental. No entanto, o parlamentar disse que gratificar quem está nos gabinetes é um equívoco.

A Secretaria de Estado da Saúde informou, através de nota, que “ o COES é formado por profissionais de diversas áreas e formações elaborando planejamentos, informes, notas técnicas, instruções normativas e instrumentos capazes de esclarecer a população sobre as formas de prevenção contra as situações de emergência em saúde”.

Ainda segundo a secretaria, “ ao afirmar que tal reconhecimento financeiro deveria ser exclusividade de profissionais como médicos e enfermeiros, na “linha de frente”, o parlamentar mostra total desconhecimento sobre o funcionamento de uma pasta tão complexa quanto à Saúde. Também mostra desconhecimento sobre as ações necessárias para o enfrentamento de uma pandemia mundial”.

A Secretaria de Estado da Saúde comunicou ainda que “ valoriza os seus servidores e considera todos como “linha de frente”.

Compartilhar
“O espaço para a participação dos ouvintes internautas no site da Rádio Nereu Ramos, tem como missão principal promover o debate dos assuntos de interesse da sociedade e que são abordados pelo jornalismo da emissora.
Comentários que contenham palavrões, ataques e ameaças pessoais ou que incentivem a violência, discriminação ou ódio contra uma pessoa ou grupo de pessoas devido à religião, raça, origem ou ideologia política, serão sumariamente excluídos.
Também não serão permitidas postagens com conteúdo comercial. Ofertas de produtos são proibidas, assim como publicar endereço de sites que façam vendas online e banner publicitários.
A responsabilidade civil e penal sobre o conteúdo publicado é do autor do conteúdo enviado para o site da emissora.”