Proposta de empresa para compensar falta de pintura em ônibus não agrada vereadores

Foto: Imprensa CMB

O Seterb apresentou nesta quinta-feira aos vereadores a proposta da empresa que explora o transporte coletivo de Blumenau para compensar a falta de pintura dos ônibus velhos que continuam circulando. Segundo o Seterb, a empresa alegou que o custo para a pintura de 142 veículos seria de R$ 264.750,48. Muito inferior ao calculado pelo economista e vereador Gilson de Souza, do PSD, de cerca de R$ 1,4 milhão.

Para compensar o não investimento, previsto no contrato de concessão, a empresa pretende modernizar o sistema de informação aos usuários nos terminais. A intenção é implantar um projeto de comunicação visual novo, com identificação das rotas e terminais por cores, bem como símbolos de acordo com a característica de cada bairro ou região.

O encontro na Câmara de Vereadores contou com a presença de 12 parlamentares. Para a maioria, a proposta de renovação visual nos terminais não trará benefícios significativos para os usuários. Os vereadores entendem que a instalação de ar condicionado, reformas nos banheiros e maior segurança nos terminais seriam mais significativos para os passageiros.

O Seterb vai apresentar ao prefeito a proposta da empresa e o resultado da reunião com os vereadores e pretende analisar a possibilidade de uma consulta pública, para definir qual a melhor forma de compensação. O presidente do Seterb, Carlos Lang, alegou que fase ainda é de avaliação e que nenhuma medida será tomada neste momento.

Compartilhar
“O espaço para a participação dos ouvintes internautas no site da Rádio Nereu Ramos, tem como missão principal promover o debate dos assuntos de interesse da sociedade e que são abordados pelo jornalismo da emissora.
Comentários que contenham palavrões, ataques e ameaças pessoais ou que incentivem a violência, discriminação ou ódio contra uma pessoa ou grupo de pessoas devido à religião, raça, origem ou ideologia política, serão sumariamente excluídos.
Também não serão permitidas postagens com conteúdo comercial. Ofertas de produtos são proibidas, assim como publicar endereço de sites que façam vendas online e banner publicitários.
A responsabilidade civil e penal sobre o conteúdo publicado é do autor do conteúdo enviado para o site da emissora.”