Prefeitura pede cobrança de multa por descumprimento de decisão judicial sobre greve dos servidores

A Prefeitura de Blumenau entrou com novos pedidos no Tribunal de Justiça do Estado sobre a greve dos servidores públicos, que já chega há uma semana. Desta vez, o governo quer que o sindicato pague multa diária de R$ 50 mil pelo descumprimento de uma decisão judicial sobre a volta dos serviços de creches e postos de saúde durante a greve.

Além disso, a administração municipal avalia descontar dos salários dos servidores os dias parados. Já o sindicato entrou na justiça com um recurso para tentar derrubar a liminar que beneficia a Prefeitura. Por enquanto, não houve decisões sobre os pedidos. Enquanto isso a greve se estende desde quarta-feira da semana passada.

Segundo a Prefeitura, nesta quarta-feira são 53 CEIS e 22 escolas sem atendimento. Na área da saúde os números ainda são do dia anterior quando 27 ESFs estavam fechados. Outro problema para a população é a ameaça de paralisação dos motoristas e cobradores de ônibus em apoio da greve dos servidores públicos. Ainda não houve manifestos, mas o sindicato da categoria não descarta a possibilidade.

A paralisação dos trabalhadores da Prefeitura é motivada pela falta de acordo para o reajuste salarial. O município ofereceu o INPC, 5,8% de reajuste, e R$ 1,50 a mais no vale-alimentação. Os servidores querem o INPC mais um percentual de ganho real para diminuir as perdas salariais e aumento de R$ 5 no vale-alimentação.

Compartilhe

PinIt
“O espaço para a participação dos ouvintes internautas no site da Rádio Nereu Ramos, tem como missão principal promover o debate dos assuntos de interesse da sociedade e que são abordados pelo jornalismo da emissora.
Comentários que contenham palavrões, ataques e ameaças pessoais ou que incentivem a violência, discriminação ou ódio contra uma pessoa ou grupo de pessoas devido à religião, raça, origem ou ideologia política, serão sumariamente excluídos.
Também não serão permitidas postagens com conteúdo comercial. Ofertas de produtos são proibidas, assim como publicar endereço de sites que façam vendas online e banner publicitários.
A responsabilidade civil e penal sobre o conteúdo publicado é do autor do conteúdo enviado para o site da emissora.”