OAB se pronuncia após cartaz com dizeres neonazistas em poste da cidade

Foto: Marco Antônio André.

A OAB de Blumenau lançou uma nota oficial nesta terça-feira (26), em alusão ao cartaz colado em um poste no Bairro Ponta Aguda, que trazia dizeres e ameaças neonazistas. No papel, colado em frente a casa de um advogado ligado a movimentos afros e ao candomblé, dizia: “Negro, comunista, anfita macumbeiro. Estamos de olho em você”. Segundo a diretoria estadual da Ordem dos Advogados em Blumenau, essa situação não pode ser abafada.

Na nota, a OAB aponta que Blumenau não é uma cidade de racistas, mas que não pode ficar calada diante do ocorrido. Ela pede aos órgãos responsáveis uma investigação e solução ao crime de racismo.

Além disso, o advogado que mora na rua em frente a onde o cartaz foi colado, aponta que essa situação deve também ser tratada como orientação, para que não se ocorra mais fatos como este. Como integrante do Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros da Furb, e adepto ao candomblé, ele afirma que as pessoas não deveriam julgar e se diferenciar por conta de raças, opiniões e religiões.

Confira a nota:

Marcha da insensatez

A crise econômica, a descrença nas instituições, a escalada da violência e da intolerância são o pano de fundo para o recrudescimento de movimentos radicais em várias partes do mundo. A escalada dos partidos extremistas; as manifestações violentas de grupos que pregam abertamente a intolerância; as perseguições a minorias: os sinais de que algo está errado são inúmeros e inegáveis. Não há como ignorá-los ou fingir que são fatos isolados e passageiros. Pelo contrário: em momentos como esse, o silêncio pode ser visto como descaso ou, pior, como consentimento. Os problemas que víamos pela TV, ao que parece, assombram também os catarinenses.

Também aqui há reflexos da verdadeira marcha da insensatez que vemos em outras partes com o surgimento de movimentos xenófobos e extremistas, as seguidas manifestações de intolerância, os casos de violência, racismo, sexismo e perseguição de minorias. Também aqui esses são movimentos inaceitáveis, que não podem ser admitidos ou vistos como algo “menor”, mas exigem o enfrentamento corajoso.

Em Blumenau, dias atrás, algumas ruas amanheceram com cartazes que contêm ameaças neonazistas. Isso ocorre a poucos dias da Oktoberfest, quando boa parte dos brasileiros estará com os olhos voltados para uma das maiores festas do mundo. Os cartazes, pasmem, dizem “Negro, comunista, antifa e macumbeiro. Estamos de olho em você”. Um ato bárbaro, covarde, praticado às escondidas por indivíduos que não ousam mostrar a cara, por certo cientes do caráter abominável do que fazem. Atos, além disso, que de forma alguma refletem o espírito da maioria da população.

A Seccional catarinense da Ordem dos Advogados do Brasil e a Subseção de Blumenau, assim como a Comissão de Igualdade Racial da Seccional, não podem silenciar diante de fatos tão graves e manifestam repúdio àqueles que, de forma irresponsável, sem medir consequências, ousam atentar contra seus semelhantes de forma infame. Da mesma forma, é inadmissível que num espaço público pessoas continuem sendo desrespeitadas e tendo sua dignidade ofendida.

Pelos motivos acima expostos, a OAB se une às inúmeras manifestações de repúdio e pede que os órgãos competentes investiguem os fatos a fim de que sejam punidos exemplarmente os autores.

Diretoria da OAB/SC
Diretoria da Subseção de Blumenau
Comissão de Igualdade Racial da Seccional

Compartilhe

PinIt
“O espaço para a participação dos ouvintes internautas no site da Rádio Nereu Ramos, tem como missão principal promover o debate dos assuntos de interesse da sociedade e que são abordados pelo jornalismo da emissora.
Comentários que contenham palavrões, ataques e ameaças pessoais ou que incentivem a violência, discriminação ou ódio contra uma pessoa ou grupo de pessoas devido à religião, raça, origem ou ideologia política, serão sumariamente excluídos.
Também não serão permitidas postagens com conteúdo comercial. Ofertas de produtos são proibidas, assim como publicar endereço de sites que façam vendas online e banner publicitários.
A responsabilidade civil e penal sobre o conteúdo publicado é do autor do conteúdo enviado para o site da emissora.”