Empresas de transporte turístico da região fazem carreata em protesto pela manutenção da paralisação dos serviços

Foto: Wellington Civiero/NW Blumenau

Ônibus e vans de várias empresas de transporte turístico de Blumenau e região promoveram um manifesto nesta segunda-feira (8), em forma de carreata, que segue até Florianópolis. A manifestação vai até Penha, onde os veículos se concentrarão em frente ao Parque Beto Carreiro. Os ônibus foram decorados com faixas e cartazes pedindo o retorno do serviço.

Os empresários do setor entendem que é incompreensível a decisão do governo estadual de estender a suspensão dos serviços até 2 de agosto. Principalmente devido à liberação do transporte coletivo urbano nesta semana, além de os aeroportos estarem abertos ao recebimento de voos. As empresas alegam que possuem toda a capacidade de realizar suas viagens com os protocolos de segurança estabelecidos.

O setor alega que representa 30 mil colaboradores e cerca de 150 mil dependentes impactados em Santa Catarina. Outra situação apontada pelos empresários, é que diversas outras e presas operam na ilegalidade, diante da inoperância do Executivo estadual, que faz ‘vista grossa’ à concorrência desleal. E quem acaba punido é justamente o empresário que age dentro da lei.

A Associação das Empresas de Transporte Turístico e Fretamento de SC informou que está acionando judicialmente o governo estadual para o ressarcimento pelos prejuízos causados pela manutenção da paralisação dos serviços.

Compartilhar
“O espaço para a participação dos ouvintes internautas no site da Rádio Nereu Ramos, tem como missão principal promover o debate dos assuntos de interesse da sociedade e que são abordados pelo jornalismo da emissora.
Comentários que contenham palavrões, ataques e ameaças pessoais ou que incentivem a violência, discriminação ou ódio contra uma pessoa ou grupo de pessoas devido à religião, raça, origem ou ideologia política, serão sumariamente excluídos.
Também não serão permitidas postagens com conteúdo comercial. Ofertas de produtos são proibidas, assim como publicar endereço de sites que façam vendas online e banner publicitários.
A responsabilidade civil e penal sobre o conteúdo publicado é do autor do conteúdo enviado para o site da emissora.”