Empresa anuncia chegada do primeiro lote de respiradores para SC

Foto: Ilustrativa/Internet

A empresa Veigamed Material Médico e Hospitalar, divulgou nesta quarta-feira (13), que o primeiro lote com 50 respiradores comprados pelo governo de Santa Catarina chegou ao aeroporto de Guarulhos.  Segundo nota da empresa, o material será liberado para entrega no estado, assim que passar pelos tramites alfandegários.

Ao todo, o estado comprou 200 respiradores através da empresa do Rio de Janeiro. O negócio gerou polêmica, resultou no pedido de exoneração de dois secretários de estado e afastamento de uma funcionária, abertura de CPI na Alesc e pedido de impeachment do governador Carlos Moisés.

Tudo porque o Estado pagou antecipadamente pelo produto que não foi entregue no prazo, com indícios de superfaturamento, troca de modelo por um inferior sem diminuição dos custos e possibilidades de irregularidades no processo.

Ao todo, o lote custou aos cofres de Santa Catarina R$ 33 milhões, dinheiro que a empresa já recebeu. Os equipamentos deveriam ter sido entregues até o final do mês de abril.

Confira a nota da empresa

“A VEIGAMED informa que o primeiro lote de 50 respiradores invasivos Shangrila S510 está no Aeroporto de Guarulhos, aguardando a finalização dos trâmites alfandegários para seguir viagem, por meio de caminhão-cofre, com escolta armada, até o Estado de Santa Catarina. Tão logo a carga esteja liberada, o que pode ocorrer a qualquer momento, a empresa atualizará as informações sobre o transporte dos respiradores”.

Compartilhar
“O espaço para a participação dos ouvintes internautas no site da Rádio Nereu Ramos, tem como missão principal promover o debate dos assuntos de interesse da sociedade e que são abordados pelo jornalismo da emissora.
Comentários que contenham palavrões, ataques e ameaças pessoais ou que incentivem a violência, discriminação ou ódio contra uma pessoa ou grupo de pessoas devido à religião, raça, origem ou ideologia política, serão sumariamente excluídos.
Também não serão permitidas postagens com conteúdo comercial. Ofertas de produtos são proibidas, assim como publicar endereço de sites que façam vendas online e banner publicitários.
A responsabilidade civil e penal sobre o conteúdo publicado é do autor do conteúdo enviado para o site da emissora.”