DEAP investiga veracidade de vídeo de detento de Blumenau

Um vídeo que teria sido gravado dentro do Presídio Regional de Blumenau tem circulado pelas redes sociais. Nele, um homem que afirma ser detento do regime semiaberto, aponta problemas na unidade e faz um pedido à Justiça de Santa Catarina. Ele também menciona a superlotação do presídio, situação que vem se arrastando desde o início do ano. Nos últimos meses, diversos presos foram liberados por falta de vagas.

Outra reclamação é o abuso de poder por parte dos guardas. Entretanto, o principal ponto do vídeo é pedir ao Poder Judiciário do estado que reavalie processos dos internos do regime semiaberto. Apenas em Santa Catarina, mais de 1.070 detentos foram liberados por conta da pandemia. Alguns deles estavam em quadro de risco. Outros estavam próximos de progredir para o regime aberto. Segundo o suposto detento, as visitações e saídas temporárias foram suspensas no dia 18 de março. O Departamento de Administração Prisional (DEAP) afirmou que a veracidade do vídeo está sendo investigada, assim como os possíveis responsáveis. Entretanto, não confirmou ou negou a situação apresentada no vídeo.

De acordo com áudios que foram enviados juntamente ao vídeo, os detentos também organizam uma manifestação em frente ao Fórum de Blumenau. Eles pedem que o ato seja pacífico, com familiares e visitas vestindo branco. O evento estaria marcado para as 12h desta sexta-feira (27). Eles também indicaram o uso de luvas e máscaras de proteção por conta do coronavírus.

Compartilhar
“O espaço para a participação dos ouvintes internautas no site da Rádio Nereu Ramos, tem como missão principal promover o debate dos assuntos de interesse da sociedade e que são abordados pelo jornalismo da emissora.
Comentários que contenham palavrões, ataques e ameaças pessoais ou que incentivem a violência, discriminação ou ódio contra uma pessoa ou grupo de pessoas devido à religião, raça, origem ou ideologia política, serão sumariamente excluídos.
Também não serão permitidas postagens com conteúdo comercial. Ofertas de produtos são proibidas, assim como publicar endereço de sites que façam vendas online e banner publicitários.
A responsabilidade civil e penal sobre o conteúdo publicado é do autor do conteúdo enviado para o site da emissora.”