CPI pede quebra de sigilo telefônico do vice-prefeito e do funcionário do gabinete

Foto: Imprensa/CMB

A CPI que investiga denúncias contra o vice-prefeito Jovino Cardoso Neto, do PSD, vai solicitar a quebra do sigilo telefônico do vice-prefeito e do servidor Alexandre Pereira. A intenção é apurar se Jovino estaria interferindo nas investigações por meio de contato telefônico com as testemunhas já ouvidas na Comissão.

A Comissão Parlamentar de Inquérito se reuniu nesta terça-feira (28) e também decidiu pela reconvocação dos familiares do servidor para o dia 12 de julho. Segundo a comissão, a necessidade de ouvir novamente as testemunhas se deve principalmente pela suspeita de que Jovino teria se reunido com os familiares antes dos depoimentos anteriores. Será convocado também o servidor público lotado como motorista no gabinete do vice-prefeito.

O presidente da CPI, vereador Fábio Fiedler, do PSD, informou que nas próximas reuniões deve ser decidida a data em que o vice-prefeito será ouvido na Comissão, para finalizar o relatório. A expectativa dos membros é de que este relatório seja concluído até o fim do mês de julho.

A Comissão Parlamentar de Inquérito foi instalada em maio e investiga denúncias de uso de servidor público lotado no gabinete do vice-prefeito em atividades estranhas à função. As denúncias apontam que o servidor estaria prestando serviços em um sítio, que seria de propriedade da família de Jovino Cardoso Neto, em horário de expediente.

 

Compartilhe

PinIt
“O espaço para a participação dos ouvintes internautas no site da Rádio Nereu Ramos, tem como missão principal promover o debate dos assuntos de interesse da sociedade e que são abordados pelo jornalismo da emissora.
Comentários que contenham palavrões, ataques e ameaças pessoais ou que incentivem a violência, discriminação ou ódio contra uma pessoa ou grupo de pessoas devido à religião, raça, origem ou ideologia política, serão sumariamente excluídos.
Também não serão permitidas postagens com conteúdo comercial. Ofertas de produtos são proibidas, assim como publicar endereço de sites que façam vendas online e banner publicitários.
A responsabilidade civil e penal sobre o conteúdo publicado é do autor do conteúdo enviado para o site da emissora.”