BR 470: ONG é criada defender interesses da sociedade e pressionar governo para agilizar duplicação

Com o objetivo de proteger os interesses de usuários, vítimas e proprietários de terrenos às margens da via, foi lançada a “ONG BR-470 em Nossas Mãos”. A organização pretende pressionar o Governo Federal para acelerar os trabalhos de duplicação da rodovia e garantir justiça nas indenizações. Um dos idealizadores do projeto, o advogado Luiz Carlos Nemetz, conta como a entidade pretende realizar os trabalhos.

Para que as ações sejam colocadas em prática, a ONG não descarta a possibilidade de uma ação na Justiça. Isso para obrigar as autoridades a cumprir o Orçamento da União, como explica Nemetz.

No dia 5 de junho, início do próximo mês, a “ONG BR-470 em Nossas Mãos” vai realizar uma assembleia pra discutir o assunto. Segundo Nemetz, esse evento terá em pauta a elaboração de um planejamento estratégico para a sequência dos trabalhos.

Uma das grandes preocupações da ONG é o processo de desapropriação dos imóveis situados às margens da rodovia. A entidade teme que as indenizações das propriedades não respeitem o valor de mercado o que pode levar alguns casos à Justiça. Mesmo assim, o deputado federal Décio Nery de Lima, do PT, diz não acreditar na possibilidade de paralisação das obras por questões judiciais.

O projeto de duplicação da BR-470 prevê o acréscimo de duas pistas em setenta e quatro kilômetros de Navegantes, até Indaial. A obra está prevista para ser realizada em quatro lotes, com previsão orçamentária de custo em um bilhão e setecentos milhões de reais. Desse valor, 41% corresponde a desapropriações.

Compartilhe

PinIt
“O espaço para a participação dos ouvintes internautas no site da Rádio Nereu Ramos, tem como missão principal promover o debate dos assuntos de interesse da sociedade e que são abordados pelo jornalismo da emissora.
Comentários que contenham palavrões, ataques e ameaças pessoais ou que incentivem a violência, discriminação ou ódio contra uma pessoa ou grupo de pessoas devido à religião, raça, origem ou ideologia política, serão sumariamente excluídos.
Também não serão permitidas postagens com conteúdo comercial. Ofertas de produtos são proibidas, assim como publicar endereço de sites que façam vendas online e banner publicitários.
A responsabilidade civil e penal sobre o conteúdo publicado é do autor do conteúdo enviado para o site da emissora.”