Atendimento emergencial de crianças será realizado exclusivamente pelo Hospital Santo Antônio

Diretores de hospitais explicaram motivos da mudança. Foto: Rodrigo Vieira/RNR.  

A partir do dia primeiro de julho o atendimento emergencial de crianças através do SUS em Blumenau será feito somente no Hospital Santo Antônio. O Hospital Santa Isabel, que também prestava este serviço, pediu o descredenciamento do Sistema Único de Saúde e demitiu os cinco pediatras que davam plantão no pronto atendimento. Segundo o diretor técnico do hospital, Rodrigo Pérez, a mudança foi tomada para evitar o transtorno aos pais e pacientes.

Segundo a direção do Hospital Santo Antônio, nenhum dos médicos demitidos do Santa Isabel procurou a instituição de saúde para ocupar uma vaga. Atualmente, segundo o diretor técnico Fernando Vargas Garcia, o hospital também conta com cinco pediatras no pronto socorro. Ele reconheceu que o número é insuficiente, mas garantiu que nenhuma criança ficará sem atendimento. Segundo ele, para completar o quadro de profissionais seriam necessários 12 médicos pediatras.

Conforme números apresentados pelo Hospital Santo Antônio, 1.732 crianças foram atendidas no mês de maio no pronto socorro da unidade. Somando-se aos 300 atendimentos mensais que eram feitos pelo Santa Isabel haverá um acréscimo de 17% no serviço. Para não sobrecarregar o hospital a secretária de Saúde, Maria Regina de Souza, fez um apelo a comunidade para procurar o pronto socorro só em casos de emergência.

Compartilhe

PinIt
“O espaço para a participação dos ouvintes internautas no site da Rádio Nereu Ramos, tem como missão principal promover o debate dos assuntos de interesse da sociedade e que são abordados pelo jornalismo da emissora.
Comentários que contenham palavrões, ataques e ameaças pessoais ou que incentivem a violência, discriminação ou ódio contra uma pessoa ou grupo de pessoas devido à religião, raça, origem ou ideologia política, serão sumariamente excluídos.
Também não serão permitidas postagens com conteúdo comercial. Ofertas de produtos são proibidas, assim como publicar endereço de sites que façam vendas online e banner publicitários.
A responsabilidade civil e penal sobre o conteúdo publicado é do autor do conteúdo enviado para o site da emissora.”