“Aeroporto Regional de Blumenau. Sim, é possível”; Ouça a série de reportagens especiais produzida pela Nereu

Talvez muita gente nem lembre. Os mais novos mesmo sequer vivenciaram a época em que o Aeroporto Regional de Blumenau, o Quero-Quero, recebia voos. Voos mesmo! Seja com a empresa Rio Sul, nos anos 80, ou com a Tam e seus tradicionais Fokker no início dos anos 90. Mas esse tempo passou e nossa cidade, há vinte anos, não recebe mais vôos comerciais.

O Aeroporto Regional de Blumenau está localizado a 21 metros acima do nível do mar. Tem um terminal de passageiros com 600m², desativado, 1080m² de pista com 30 metros de largura. Mas o que falta? Quanto o Vale do Itajaí perde sem um aeroporto em Blumenau? Quanto poderia ganhar? Tudo você confere abaixo na série de reportagens especiais produzida por Augusto Ittner para a Nereu.

 

Mas não adianta levar à frente a discussão sobre a necessidade de um aeroporto em Blumenau sem que haja condições práticas, ou seja, potencial para receber vôos comerciais. Será que o Aeroporto Quero-Quero tem essas condições? Ouça abaixo na segunda reportagem especial.

 

Nas últimas duas reportagens, nós trouxemos os detalhes sobre o quanto Blumenau perde sem um aeroporto e toda a questão técnica que envolve a possibilidade de termos um. Hoje é dia de explorarmos um pouco mais sobre tudo que poderia vir para Blumenau caso o Aeroporto Quero-Quero operasse com voos comerciais. Ouça:

 

É possível termos um aeroporto em Blumenau operando com voos comerciais? Sim.

Compartilhar
“O espaço para a participação dos ouvintes internautas no site da Rádio Nereu Ramos, tem como missão principal promover o debate dos assuntos de interesse da sociedade e que são abordados pelo jornalismo da emissora.
Comentários que contenham palavrões, ataques e ameaças pessoais ou que incentivem a violência, discriminação ou ódio contra uma pessoa ou grupo de pessoas devido à religião, raça, origem ou ideologia política, serão sumariamente excluídos.
Também não serão permitidas postagens com conteúdo comercial. Ofertas de produtos são proibidas, assim como publicar endereço de sites que façam vendas online e banner publicitários.
A responsabilidade civil e penal sobre o conteúdo publicado é do autor do conteúdo enviado para o site da emissora.”