Acareação de envolvidos na CPI dos respiradores é adiada para a próxima terça-feira

Foto: Bruno Collaço/Agência AL

A CPI que apura irregularidades na compra de 200 respiradores por parte do Governo Estadual ouviu nesta terça-feira (2,) três dos principais envolvidos no caso: a servidora Márcia Pauli, o ex-secretário de Saúde, Helton Zeferino, e o ex-secretário da Casa Civil, Douglas Borba. A audiência durou mais de 10 horas e terminou apenas na madrugada desta quarta-feira (3).

Durante a sessão a servidora Márcia Pauli explicou o contexto da compra dos respiradores e voltou a dizer que a indicação da empresa Veigamed foi do ex-secretário da Casa Civil, Douglas Borba. A servidora também relatou que fornecedores tinham livre acesso ao prédio onde está instalado o Centro de Operações de Emergência em Saúde (Coes).

O ex-secretário de Saúde Helton Zeferino falou sobre o pagamento antecipado a empresa e garantiu que não autorizou a ação. Já o ex-secretário da Casa Civil, Douglas Borba começou a responder o questionamento dos parlamentares já durante a madrugada. Ele disse que não tem envolvimento com a compra dos respiradores que ele classificou como “desastrosa”.

Após ouvir os envolvidos o relator da CPI, o deputado Ivan Naatz apresentou um requerimento para suspender a acareação dos envolvidos que estava marcada para esta quinta-feira (4). Na oportunidade os três seriam colocados frente a frente a fim de esclarecer versões divergentes. Naatz alegou que precisa de mais tempo para se preparar.

O Deputado João Amim (PP), mostrou descontentamento com o requerimento de Naatz e insinuou que o parlamentar teria interesses pessoais para adiar a acareação. O deputado blumenauense se defendeu dizendo que está a trabalho de Santa Catarina. Por fim, ficou decidido que a acareação dos três envolvidos será realizada na próxima terça-feira (9).

 

Compartilhar
“O espaço para a participação dos ouvintes internautas no site da Rádio Nereu Ramos, tem como missão principal promover o debate dos assuntos de interesse da sociedade e que são abordados pelo jornalismo da emissora.
Comentários que contenham palavrões, ataques e ameaças pessoais ou que incentivem a violência, discriminação ou ódio contra uma pessoa ou grupo de pessoas devido à religião, raça, origem ou ideologia política, serão sumariamente excluídos.
Também não serão permitidas postagens com conteúdo comercial. Ofertas de produtos são proibidas, assim como publicar endereço de sites que façam vendas online e banner publicitários.
A responsabilidade civil e penal sobre o conteúdo publicado é do autor do conteúdo enviado para o site da emissora.”